Terça-Feira, 04 de Agosto de 2020

Notícias

Quarta-Feira, 12 de Fevereiro de 2020 08:29

Folha mostra mensagens e afirma que Hans River mentiu à CPMI das fake news

O jornal Folha de S.Paulo publicou reportagem na noite desta 3ª feira (11.fev.2020) para rebater declarações de Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário da empresa de marketing digital Yacows. O jornal divulgou conversas em texto e áudio que contestam versões apresentadas por ele durante depoimento nesta tarde à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das fake news.

Hans foi ouvido na condição de testemunha. O objetivo da audiência era esclarecer esquema de disparo em massa de mensagens via WhatsApp nas eleições de 2018.  Uma reportagem publicada em dezembro daquele ano pela Folha mostra que a Yacows usou CPFs de pessoas idosas para cadastrar os chips de celular que faziam o mecanismo de envio de mensagens por aplicativos funcionar. 

Hans River foi uma das fontes ouvidas pela jornalista Patrícia Campos Mello, que assina a reportagem.

No depoimento prestado à CPMI, o ex-funcionário da empresa confirmou que a Yacows usava dados de idosos para realizar seus serviços, mas disse também que a repórter da Folha teria se insinuado sexualmente para obter informações após ele ter se negado a falar.

O jornal informou que contatou Hans River a partir de 19 de novembro de 2018 e que as conversas foram gravadas. À época, Hans movia ação trabalhista contra a Yacows e revelou o esquema fraudulento usado em campanhas eleitorais.

A Folha diz que o ex-funcionário respondeu a perguntas feitas pela reportagem, mas, dias mais tarde (em 25 de novembro), disse ter mudado de ideia. “Pensei melhor, estou pedindo pra você retirar tudo que falei até agora, não contem mais comigo“, escreveu Hans River em mensagem de texto à reportagem do jornal.

Aos integrantes da CPMI, no entanto, o ex-funcionário contou outra versão. “Ela [repórter] queria sair comigo e eu não dei interesse para ela. Ela parou na porta da minha casa e se insinuou para entrar, com o propósito de pegar a matéria”, afirmou.

“Quando ela escutou a negativa, o distrato que eu dei e deixei claro que não fazia parte do meu interesse… a pessoa querer 1 determinado tipo de matéria a troco de sexo, que não era a minha intenção, que a minha intenção era ser ouvido a respeito do meu livro, entendeu?“, continuou.

A Folha rechaçou a versão contada pelo depoente. Divulgou conversa que mostra Hans convidando a repórter para 1 show e depois cobrando uma resposta da mesma, que em momento algum teria se insinuado sexualmente.

O jornal mostra ainda, a partir das mensagens divulgadas, que Hans também teria mentido ao dizer que não encaminhou documentos ao jornal, mas apenas os anexou aos autos da ação trabalhista que movia contra a Yacows.

Hans River poderá responder criminalmente caso se confirme que ele mentiu, podendo seu depoimento ser enquadrado na prática de falso testemunho, cuja pena é de 2 a 4 anos de prisão (artigo 342 do Código Penal).

Fonte: Poder 360

FOTOS DA NOTÍCIA Clique na foto para abrir

NOTÍCIAS

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}